Posts Marcados HQL

Produtividade – Princípios

Continuando a série sobre produtividade, e antes de entrar em detalhes da nossa plataforma atual, vou relacionar alguns princípios que utilizo quando o assunto é produtividade.

  1. Uso de tecnologia de ponta – como citado no post anterior, eu acredito que a incorporação de uma nova tecnologia ou framework só deve ser feita quando há um ganho claro mensurável. Nossa indústria muda muito rapidamente e muitas frentes às vezes aclamadas como excelentes práticas podem cair em desuso daqui a alguns meses. Isto posto, é fundamental estar atualizado, pois a todo tempo surgem soluções ou práticas que definitivamente podem gerar ganhos de produtividade. Eu me considero um dos últimos dos “early-adopters”, ou seja, nossa plataforma usualmente tem quase tudo que é de ponta, porém normalmente não sou um dos primeiros a adotar uma determinada novidade.
  2. Dogmatismos e guerras religiosas – Na nossa indústria é muito comum encontrar pessoas que defendem práticas ou teorias simplesmente por elas terem sido definidas, não importando que finalidade ou benefício possa advir do uso delas. Minha visão sobre isto não poderia ser mais pragmática, acredito que temos que conhecer muito bem a teoria e os conceitos envolvidos, porém o uso é condicionado ao ganho que possa ser obtido. Mesmo que isto signifique “deturpar” uma teoria ou usar somente uma parte dela. Nosso negócio não é o purismo e sim a produtividade, portanto, pra mim, não há espaço para dogmatismos. Tenho vários exemplos sobre este tema. Um muito comum é sobre “modelos anêmicos”, que tentam fazer um purismo OO quando, na minha experiência, isto causa mais problemas do que ajuda (mais sobre isto no post da camada de domínio). Não tenho nenhum problema em ter uma visão procedural de serviços, se desta forma estamos sendo mais produtivos. Outra é sobre uso de “patterns” conhecidos. Muitas pessoas ficam olhando um problema e tentando identificar e classificar aquilo em um pattern quando algumas poucas linhas de código já poderiam ter resolvido o problema há muito tempo. Quanto mais patterns conhecermos melhor, mas se usar não é intuitivo, algo provavelmente não está certo.
  3. Complexidade – Desenvolver sistemas significa fazer tarefas complexas. Mas para mim, a complexidade deve estar sempre que possível escondida das tarefas do dia a dia. Por exemplo, um framework de domínio vai ter áreas muito complicadas para se projetar e construir. No entanto, usar um framework de domínio deve ser algo simples. A todo o tempo eu avalio o esforço para se esconder as complexidades de tarefas comuns e quando há um potencial, isto é feito. Claro que a tarefa tem que ser comum o suficiente para compensar o esforço de encapsulamento; não faz sentido fazer um framework para uma tela que será desenvolvida uma única vez. CRUDs são usualmente candidatos a usar frameworks, pois todos os sistemas possuem várias telas deste tipo. Um corolário disto é que se for possível automatizar algo com o uso de DSLs, eu vou considerar esta opção de maneira muito favorável. DSLs tornam as tarefas do dia a dia mais simples, então pra mim isto significa produtividade direta. Infelizmente fazer uma DSL ainda é algo muito complexo, e utilizar uma pronta que não tenha nenhuma área de conflito é raro – se ela não se encaixar bem, não vai ser produtivo usar. Um exemplo muito bem sucedido na nossa equipe é o ActiveWriter, que é uma DSL para se gerar entidades de domínio. Atualmente nossa plataforma de domínio está tão boa que nossos desenvolvedores quase que esquecem que ela está lá, trabalhando com uma interface gráfica para desenhar entidades e gerando a maior parte do código com geradores automáticos. Outros exemplos nesta linha são o uso de interfaces fluentes, operadores customizados e assim por diante.
  4. Manutenabilidade – Este é um conceito sujeito a muitas guerras religiosas. Para muitos desenvolvedores, a busca da uma manutenabilidade máxima é o objetivo final, mesmo que isto não seja necessário. Na minha visão, a manutenabilidade de um sistema moderno está ligada a duas áreas: facilidade de alterar interfaces e facilidade de entender e identificar as regras de negócio. As demais áreas complexas (frameworks, camadas de domínio etc.) serão complexas, não importa quão bem feitas sejam. Então não adianta tentar deixá-las super simples de dar manutenção; se a equipe que as projetou não estiver disponível, vai ser difícil alterar. Claro que boas práticas de programação devem ser usadas nestas áreas, mas daí a tentar fazer algo universalmente simples pode ser um esforço inviável. No meu caso, eu me preocupo com telas e regras de negócio. Em termos de regras, temos tido bastante sucesso, hoje temos sistemas legados de quase 10 anos que ainda são simples de ter regras de negócio alteradas. Telas são um pouco mais complexas, pois a tecnologia mudou muito nos últimos anos, mas mesmo assim temos tido um razoável sucesso. Mais sobre isto no post referente a interfaces.
  5. Linguagens Declarativas – Outro tema polêmico, linguagens declarativas são linguagens que se propões a dizer o que deve ser feito ao invés de como deve ser feito. Exemplos são linguagens como SQL ou XSLT e qualquer outra DSL. Na minha visão, este é um dos maiores fatores de produtividade, pra mim linguagens declarativas SEMPRE são ordens de grandeza mais produtivas do que linguagens imperativas (C# etc.). Assim, no nosso caso, muitas extrações são feitas em SQL direto. Ultimamente HQL também tem sido uma excelente opção. (Obs.: não acho que regras de negócio devam estar em stored procedures, já que regras de negócio são procedurais e portanto, imperativas por natureza). E no nosso caso, o uso de XSLT é prevalente nas interfaces. Apesar de ter uma curva de aprendizado significativa, a minha opinião é que o esforço para aprender XSLT é sempre é retornado muitas vezes em produtividade – mais sobre isto no post sobre interfaces.
  6. Perfil da Equipe – Por último, um tópico que foi abordado no post anterior. Minha opinião é de que ter pessoas inexperientes vai afetar negativamente a produtividade, em qualquer cenário. Como visto nos itens acima, trabalhamos com todas as tecnologias de ponta, o que significa uma grande formação básica necessária. Na nossa equipe é muito raro um novo membro, por mais experiente que seja, não ter um tempo de adaptação de um ou dois meses. Para desenvolvedores inexperientes, este tempo seria muito maior, afetando de maneira drástica a produtividade geral da equipe. Este é um grande problema pois profissionais bons são raros, e uma troca de pessoal freqüente também afeta de maneira significativa a produtividade. Não vejo solução para isto, o que faço atualmente é ter pessoas chaves liderando as equipes que possam absorver eventuais necessidades por troca de pessoal, mas esta troca inevitavelmente vai diminuir a produtividade.

O próximo post é sobre a camada de dados de de domínio. Até breve.

, , , , , , , , ,

Deixe um comentário