Azure DevOps

Oi pessoal! Iniciando a sequência de artigos sobre tecnologias e plataformas citadas aqui, vou começar pelo básico: configuração de ambiente DevOps no Azure.

Embora DevOps esteja em adoção crescente há vários anos, sua adoção em larga escala só se tornou possível com o foco da Microsoft no Azure DevOps. A migração do antigo TFS para o GIT, a integração de todas as ferramentas em https://dev.azure.com/[suaempresa] e  a automatização via pipelines de CI (Continuous Integration) e CD (Contiunous Deploy) tornou todo o processo simples de ser implementado.

Bom, vamos assumir que estamos começando do zero e montar um ambiente de DevOps no Azure e mostrar todos os passos necessários. O único requisito é ter uma assinatura Azure válida para se registrar os artefatos.

O primeiro passo é criar a empresa no DevOps. Isto pode ser feito em https://dev.azure.com, bastando seguir os tutoriais. O primeiro artefato que temos que criar é o projeto inicial. O termo projeto aqui pode gerar confusão, pois há a tendência de se tratar um projeto como projeto Visual Studio. Mas, na nossa experiência, é mais produtivo tratar um projeto DevOps como sendo todo o contexto de um cliente. Assim, todas as solutions, projetos visual studio, artefatos etc. relativos a um cliente normalmente são armazenados em um único projeto DevOps. Abaixo a tela de gestão do projeto no Azure.

Dentro de um projeto podemos ter múltiplos repositórios GIT. Usualmente é criado um repositório para cada projeto do tipo bibliotecas, serviços ou sistemas. Já vi algumas defesas de se ter um repositório único para tudo (nós até já chegamos a usar este formato por algum tempo), mas isto complica a geração dos pipelines de CI. Assim, preferimos usar repositórios separados mesmo. Como é típico em um repositório GIT, temos o branch master, que armazena a versão de produção e branchs de desenvolvimento, usados para gerar as versões para testes e homologação. Em organizações que precisam de um compliance mais forte, pode ser criada uma política que impeça o commit direto no branch master, exigindo um pull request do desenvolvimento para ele. Este pull request pode também exigir aprovadores, o que garante um alto controle do que segue para o master. Claro que isto tem um impacto negativo em produtividade. Como na White Fox o objetivo é agilidade, nós não temos estes controles ativados.

Outro ponto importante para configurar no projeto é um feed de artefatos (último elemento na barra lateral esquerda). Este feed tem como finalidade a publicação dos pacotes Nuget das bibliotecas utilizadas naquele projeto DevOps. Embora o feed seja para uso interno (ele exige autenticação), dá para se configurar acesso para outros projetos ou mesmo para outras empresas. Na White Fox, estamos migrando todos os nossos pacotes Nugets de um servidor público para um feed de projeto, simplificando nossa infra e facilitando o processo de CI/CD.

Com o feed de artefatos criado, o próximo passo é criar os pipelines de CI para cada projeto utilizado. Ao se criar um pipeline, temos duas opções: utilizar pipelines clássicos ou baseados em arquivos yaml. Em geral, o pipeline clássico atende os cenários típicos, enquanto que os baseados em arquivos yaml permitem uma maior flexibilidade e customização das tarefas. A figura abaixo mostra a tela de criação. Inicialmente se escolhe o repositório de origem e aí basta seguir o assistente que vai gerar o arquivo yaml. Para escolher criar um pipeline clássico, basta usar o link no final da tela.

Usualmente nossos pipelines de CI fazem as seguintes tarefas: 1 – baixar artefatos nuget; 2 – compilar projetos; 3 – executar testes unitários; 4 – publicar artefato no próprio pipeline. Abaixo um pipeline clássico web e um de arquivo yaml.

Um alerta: apesar da Microsoft já ter recentemente permitido o desenvolvimento de Azure Functions em .NET Core, ainda não é possível fazer um pipeline para deploy deste tipo de Function. Se alguém tiver este cenário, é necessário por enquanto ainda fazer uma publicação manual – o que não é nada complexo, dá pra fazer direto do Visual Studio. Creio que em breve este tipo de pipeline também estará disponível.

Após termos os pipelines de CI funcionando, o último passo é criar os pipelines de release – CD. Usualmente o pipeline de release é criado baseado em um trigger de pipeline de CI bem sucedido. O pipeline de CD simplesmente baixa os artefatos e, caso seja uma aplicação web, publica direto no Web App; caso seja um Nuget, publica direto no feed de artefatos. Abaixo exemplos de pipelines Nuget e web app. Abaixo um pipeline web.

Finalizando os pipelines de release, voi-la, temos todo o nosso ambiente operacional em DevOps CI/CD. Um commit no master irá iniciar o pipeline de CI, que irá compilar, testar e deixar pronto pra publicação. Quando o CI finalizar, o pipeline de CD irá pegar os artefatos e automaticamente publicar no servidor Nuget ou direto no Web App.

Um último item que gostaria de apontar é sobre notificações. O DevOps por padrão já envia e-mails no sucesso ou falha do CI para quem fez o commit. É tranquilo também configurar o envio de e-mails para um grupo no caso de sucesso ou falha – dá até pra criar automaticamente workitems em falhas, se for desejado. No nosso caso, como somos usuários do Microsoft Teams, nós preferimos receber as notificações por ele.

Existe um bot público chamado Azure Pipelines – basta buscar em aplicativos no Teams. Ao instalar, ele permita que façamos assinaturas dos pipelines e publiquemos notificações em canais específicos. Assim, toda vez que um Release é feito com sucesso, todos nós da White Fox recebemos uma notificação no Teams automaticamente.

É isto pessoal. Uma vez configurado, o Azure DevOps funciona impressionantemente bem. Todos os nossos artefatos principais já estão em CI/CD e isto tem poupado muito tempo nosso em testes e deploys. Recomendo a qualquer empresa de software que passe a usar o Azure DevOps com CI/CD, se ainda não o faz!

No próximo artigo vou falar um pouco de services .net core usando NoSql. Até breve!

, , , , , , , ,

  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: