Arquivo de junho \07\UTC 2015

Novidades!

Olá pessoal, há quanto tempo!! :)…. Estive ontem no Visual Studio Summit 2015 e continuo achando este o melhor evento da Microsoft para desenvolvedores. Este ano esteve especialmente bom já que temos muitas tecnologias e plataformas a caminho, tais como o Visual Studio 2015, o ASP.NET 5 e o C# 6.0. Foi bom poder conversar como os early-adopters e colher opiniões sobre o que temos de bom em cada novidade destas. Sem entrar muito em detalhes, é suficiente dizer que fiquei positivamente impressionado, fazia tempo que não via a Microsoft engajada em disponibilizar tantos recursos para os desenvolvedores. E é perceptível também o esforço em começar a integrar os produtos Microsoft com as outras plataformas, como o Visual Studio Code para Mac e Linux e nos novos recursos de integração do Visual Studio 2015 RC com o melhor do mundo open source, tais como Node.js NPM, Grunt e Bower. Para quem ainda não baixou o Visual Studio 2015 RC, recomendo fazer isto logo, vale a pena no mínimo para se preparar para estas mudanças.

Na White Fox, continuamos firmes na nossa transição de desenvolvimento MVC clássico para um modelo baseado em MVC REST APIs e uma interface rica baseada em AngularJS. Praticamente todos os nossos sistemas já possuem telas desenvolvidas com esta tecnologia e novos sistemas estão sendo feitos exclusivamente neste formato. É cada vez mais comum também expormos estas APIs para interfaces desenvolvidas para dispositivos móveis, o que faz com que nossas APIs tenham que ser desenvolvidas com um agnosticismo completo com relação às interfaces que a vão utilizar. Se por um lado isto é uma boa prática, por outro significa migrar centenas de telas de legado para este novo formato, o que muitas vezes é bem custoso.

Na parte de ORM, continuamos sem um norte claro. A maior parte de nossos sistemas continua usando a versão antiga do nHibernate com o Castle ActiveRecord. Porém a idade está começando a pesar nesta plataforma, começando a tornar difícil algumas evoluções que precisamos fazer. Fizemos algumas tentativas de migração para o Entity Framework com relativo sucesso usando o Entity Framework 6. Porém, como nossos sistemas são muito complexos (centenas de entidades), o esforço de mapeamento é considerável, e temos bugs sérios no designer do EF6 com relação a defaults de banco de dados, o que torna a atividade ainda mais complicada. E, para detonar de vez este cenário, o EF7 vai remover o modelo “database-first”, o que inviabiliza o que fizemos até agora.

Esta questão do EF7 me intriga. Conversando ontem com outros desenvolvedores, percebi que muitos têm problemas similares. O uso do EF com sucesso acontece quando o sistema é novo e tem um único “dono” para banco de dados. Porém isto não é comum na nossa realidade (e, pelo que vi, de muitas outras), pois o banco é compartilhado entre vários sistemas legados e não há um único responsável pela evolução do mesmo. Neste aspecto, até a proposta da Microsoft para substituir o modelo database-first pelo code-first com migrations não resolve, pois temos alterações que não viriam do EF. Parece que não teremos alternativa a não ser codificar os objetos na mão (e voltamos 10 anos no tempo!!). Pelo menos o uso do Power Tools para o EF deve ajudar um pouco. E estamos de olho em ferramentas de terceiros, como as da DEVART, que também podem ser uma alternativa. Mantenho vocês informados da nossa evolução.

Outro tópico muito interessante ontem foi o relativa à Microservices. Percebi que outras pessoas estão com o mesmo problema que o nosso, que é manter a agilidade em sistemas de grande porte, onde o processo de deploy é amarrado por inúmeros problemas: demoras em homologação, sistema monolítico etc. Microservices podem ser uma solução para isto, a ideia é decompor o sistema em componentes de serviço e com isto podermos substituir um ou outro sem afetar a aplicação como um todo. Em teoria, a ideia é boa, mas, na prática, ainda não temos uma plataforma definida para implementarmos isto. As implementações de Microservices normalmente fazem uso de filas de mensagens, o que gera problemas para sistemas que exigem uma resposta síncrona. Além disto ainda temos que escolher uma boa plataforma para implementar este barramento de serviços/mensageria. O Microsoft Azure tem uma implementação interessante, porém ele não é uma opção para sistemas internos. Estamos analisando possibilidades como o Service Broker do próprio SQL Server ou soluções open source como o RabbitMQ, vamos ver como fica isto nos próximos meses.

Até a próxima!

, , , ,

2 Comentários